Paris, a cidade da torre mais famosa do mundo

Acho que é normal… E com certeza a maioria das pessoas que não vivem na União Européia sonham um dia conhecer Paris, eu e Ramone pelo menos sonhávamos tanto que jamais iríamos finalizar o intercâmbio sem realizar esta viagem.

Os planos eram passar a virada do ano em frente à Torre Eiffel, mas devido o alto valor das passagens a idéia foi modificada, mas os planos de viagem para Paris permaneceu fixo no cronograma. A procura de passagens acessíveis passei a acessar o site da Ryanair dia e noite até que encontrei passagens de ida e volta para o dia 18 de janeiro por 18 euros. Não pensei duas vezes e efetuei a compra, mas para essa viagem não parti sozinha, junto de mim veio Ramone (minha fiel companheira de aventura) e Ludmila (que fez parte do trio GPS Girls).

Paris é a capital e a mais populosa cidade da França, e está posicionada numa encruzilhada entre os itinerários comerciais terrestres e fluviais no coração duma rica região agrícola que a tornou uma das principais cidades da França ao longo do século X, sendo conhecida como Cidade Luz e capital da arte e do lazer, além de abrigar numerosos monumentos, por seu considerável papel político e econômico, sendo também uma cidade importante na história do mundo. Prova disso são os palácios, igrejas, parques, avenidas e museus que fazem a cidade um símbolo da cultura francesa, que atrai quase trinta milhões de visitantes por ano, ocupando também um lugar preponderante no mundo da moda e do luxo, tanto que no ano de 1991 Paris foi inscrita na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO.

Não posso deixar de concordar, e falar que a cidade é realmente bela, com suas ruas enormes que apresentam um transito extremamente eficiente. É incrível como tudo parece funcionar por lá: semáforos, faixas de segurança, metro, ônibus… Além é claro dos prédios que apresentam a peculiar arquitetura francesa, que mesmo eu não entendendo muito de arquitetura não pude deixar de ficar encantada com a perfeição dos monumentos que são enriquecidos com diversos detalhes de anjos, santos e demônios. E se tivesse uma cor que eu pudesse descrever a cidade, seria bege, pois praticamente todos os monumentos que visitamos possuem esta cor, claro que, acompanhados de detalhes dourados, verdes e cinzas, mas o bege sempre predominando. Isso foi outro fator que me surpreendeu, como tudo parecia estar padronizado.

Mesmo a cidade sendo muito grande, muitos dos pontos turísticos localizam-se próximos um do outro, mas alguns estão mesmo distante, sendo indispensável a utilização do metro. Utilizar o metro por Paris não é nada comparado com São Paulo e demais pólos do Brasil, saliento, é incrível como esse meio de locomoção funciona pela Europa, pois não á fiscal, não existe cobradores, apenas uma máquina onde de forma independente o cidadão compra seu bilhete, e mesmo a França sendo considerada um dos países da União Européia que a população não respeita a cobrança de metro eu apenas presenciei uma infração durante os três dias na cidade. Mas caso um cidadão seja pego utilizando o serviço do metro de forma inadequada, este paga na hora à multa de 40 euros, sem choro, sem desconto (acreditem! Isso realmente acontece). O metro de Paris apresenta inúmeras linhas (isso significa que em minutos você vai a qualquer canto da cidade), no início olhando o mapa o sistema de transporte parecia mais uma teia de aranha do que linhas de metro, mas nada que não se entenda, afinal, a cidade está muito bem preparada para turistas com sinalização e central de informação por todos os lados, inclusive atendentes que falam português.

Para utilização do metro além de efetuar a compra toda vez que for utilizar, você pode comprar um bilhete de 24h com passe ilimitado, este custa 6,10 euros, há também o passe da semana, mas este não sei o valor.

E embora muitos turistas falam que Paris é extremamente cara eu não achei tanto. É claro que se você for sair durante a noite em algum bar ou discoteca sentira o impacto, mas o preço das lembrancinhas não achei nada abusivo, principalmente se você for negociar a compra com os Black People (Africanos que vendem chaveiros e torres por um preço inferior das lojas), e para se alimentar também não. Falando em alimentação, o famoso crep de chocolate de Paris foi uma decepção total, sem contar no relaxado atendimento da atendente que não utilizava luvas nem pá para preparo do crep (isso no Parque de La Concorde, pode ser que em outros sítios seja melhor).

Para visitar os pontos turísticos, nós intercambistas temos a vantagem de estudante da União Européia ter acesso free em quase todos como no Museu do Louvre, Phanteon, Notre Dame… E para subir no topo da Torre Eiffel o valor varia do andar que você quer ir e depende também se você é estudante e da idade que você tem, o valor até o topo é em torno dos 13 euros.

Se você visitar a cidade no período de inverno, prepare-se, pois lá o vento é cruel, principalmente no segundo andar da Torre Eiffel. No mais, todos os lugares estão bem preparados para o inverno.

Entre todos os lugares que visitamos o que não posso deixar de recomendar é o Museu dos Perfumes Fragonard, este não está muito destacado no mapa, mas localiza-se perto da Academie Nationale de Musique. E se você sempre teve curiosidade em conhecer os segredos da produção de perfumes a visita no Museu não pode faltar, sem contar que é gratuita, e o local conta com guia de todos os idiomas (inclusive português), e no final você pode efetuar a compra de perfume puro por um preço direto de fábrica.

Mais uma vez eu digo que Paris é extremamente encantadora, só o fato de andar pelas ruas é uma sensação agradável, observar como o trânsito funciona, a educação do povo Frances e acima de tudo a cultura que possuem, como eles conhecem a história de seu país, como eles ocupam o tempo no metro lendo jornais e livros, como é comum andar na rua comendo baguete, e como as pessoas encontram um meio de sobreviver em cima do turismo da cidade seja vendendo chaveirinhos, tocando gaita ou se vestindo de qualquer coisa para arrecadar moedas.

A Torre Eiffel realmente é linda e ao olhar para sua ponta realmente você tem a sensação de que ela esta balançando (hehehe). É engraçado reparar que um “monte de ferro” é a atração principal de uma cidade, e é incrível estar em frente a um monumento que possui tanta história, que já fez parte de cenários caracterizado em dezenas de filmes que se passam em Paris (ainda bem que não foi demolida), e relembrar da sua história de construção e avaliar o seu grandioso significado atual.

Mas diante de toda beleza teve algumas coisas que me decepcionaram, é claro que visitar os países no verão é bem diferente do inverno, pois o clima tem muita influência sobre os cenários que vemos, como por exemplo, os jardins. Em Paris a maioria das árvores estavam sem folhas e as flores dos jardins encolhidas, tudo bem… Não posso exigir milagres do inverno, mas o que eu gostaria de apontar é que, Paris sendo uma das cidades mais visitadas da União Européia, com todo o dinheiro que o país lucra em cima do turismo poderiam manter as fontes e jardins da cidade em melhores condições mesmo no período de inverno e passarem por chuva, neve e frio. Os jardins localizados perto da Torre Eiffel não permitiram uma foto adequada, com as fontes desligadas e águas sujas, e o jardim de Luxembourg mais estava um lamaçal do que um jardim. Estes foram alguns pequenos detalhes que me desapontaram, além do céu estar extremamente cinza, mas nada que um photoshop não resolva para uma foto (hehehe). Outra coisa que me irritou foi o fato de sempre ter um poste ou uma publicidade estragando o cenário da foto em frente aos pontos turísticos isso prova o quando os franceses investe em publicidade e propaganda, o que me fez pensar, que se nada dos meus planos derem certos, vou aprender francês e vir trabalhar na França (hehehe).

Assim como todas as cidades que visitei até o momento, Paris vai deixar saudade, tanta saudade que o retorno no verão já está nos meus planos, afinal, não quero morrer antes de fazer um piquenique em cada jardim desta cidade.

Por Nay Back – Intercambista UP.

Anúncios

2 Respostas para “Paris, a cidade da torre mais famosa do mundo

  1. A cultura é muito subjetiva de cada povo. O pagamento do bilhete do metro sendo feito mesmo sem fiscalização é algo que não corremos o risco de acontecer aqui no Brasil.

    No mais, Paris deve ser (juntamente com Roma) a cidade mais interessante turisticamente da Europa.

    Todos os lugares já anotados p/ quando eu viajar ;P

  2. Olá Nay, passei pelo contrangimento de ser abordado por seguranças do metrô em Paris que me pediram um comprovante do pagamento do metrô. Havia acabado de comprar dez bilhetes (é mais barato do que compra um de cada vez) mas logo após passar pela catrata joguei fora o bilhete, dado que desconhecia a necessidade de manter o comprovante durante toda a viagem.
    Aprendi pelo modo mais dificil, pagando 40 euros de multa.

    Um abraço e bom intercâmbio !!!

    José Luiz

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s